Explosão da rejeição de Haddad sugere que #EleNão ajudou Bolsonaro

0

Depois de passarem o fim de semana comemorando efusivamente em redes sociais o sucesso das manifestações contra Jair Bolsonaro, aderentes do movimento #EleNão são apresentadas e apresentados à realidade brasileira.

A serem uma tendência irremediável os números apresentados pelo novo Datafolha, e por óbvio nada é pétreo nesta eleição, a possibilidade de o presidenciável do PSL ser eleito em primeiro turno ou ter um renovado favoritismo para segundo cresceu. Será que o #elenão vai eleger o capitão?

Claro, é uma simplificação e também uma provocação, dado o grau autorreferencial das manifestações contra Bolsonaro no sábado (29). Por fim, trata-se de um exagero quando tomado o todo da campanha, a menos acadêmica de todas desde 1989. Mas é um fator a considerar.

Aqui o trabalho é para antropólogos e cientistas sociais e políticos, mas é possível especular um pouco sobre o comportamento do eleitorado, com mulheres passando a aderir em maior quantidade a Bolsonaro justamente quando ele é alvo de um megaprotesto —que teve sua contrapartida no dia seguinte, é verdade, mas com um escopo talvez menos nacionalizado.

Ponto central: a sensação de instrumentalização por parte do PT do #elenão. Era impossível olhar para as cenas nas ruas, como as registradas em São Paulo, e não sentir um incontornável jeitão de comício da mesma esquerda apegada ao #lulalivre e afins. Houve sequestro de agenda, não só pelo PT, mas por agremiações como o PSOL do inexistente Guilherme Boulos (0% no Datafolha).

Isso foi combustível na fogueira do antipetismo, que é uma expressão identificável do mal-estar da sociedade que gerou o apoio a Bolsonaro. Ele é mais do que um antipetista, tendo encarnado a rejeição à política, mas com a ascensão de Fernando Haddad (PT), seu adversário ficou mais evidente.

No mais imediato, é preciso lembrar que rejeição a Bolsonaro continua astronômica, seu maior calcanhar de Aquiles (45%). Mas o antipetismo que acompanhou a subida de Haddad (PT) na cola da transferência possível de votos de seu eleitor-mor, Luiz Inácio Lula da Silva, parece estar compensando o movimento com folga: explodiu para um empate técnico com o capitão reformado em duas semanas.

O tal país conflagrado é uma realidade eleitoral. Como já foi argumentado, chamar Bolsonaro de fascista ou misógino apenas aliena seu eleitor. Neste ponto, o erro foi o mesmo cometido pelos democratas com Donald Trump em 2016. Não é um detalhe que Bolsonaro tenha ultrapassado Haddad entre as mulheres, e crescido particularmente entre as mais pobres, antes tendendo ao petismo de estirpe lulista.

Resta agora a Geraldo Alckmin (PSDB) seguir com sua campanha de tudo ou nada contra a aposta PT ou Bolsonaro. Não deu certo até aqui, e seu único alento é que ele também se favoreceu do antipetismo ao abrir a vantagem de segundo turno sobre Haddad.

A Ciro Gomes (PDT), que poderia ser um receptor do voto não-PT e não-Bolsonaro, a barreira natural imposta pela subida inicial de Haddad no Nordeste o imobilizou.

O resto é uma procissão de nanicos improváveis, que une em féretro candidatos de musculatura partidária tão díspar quanto Henrique Meirelles (MDB) e Marina Silva (Rede), para não falar nos seus companheiros João Amoêdo (Novo), Cabo Daciolo (Patriota).

Com Informações Folha de São Paulo

Não existem avaliações

Deixe sua avaliação

DEIXE SEU COMENTÁRIO

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.