Mais baratas, viagens de ônibus podem impulsionar turismo doméstico

0

Escolher o ônibus na hora de viajar pode proporcionar uma economia de até 225,8%, se comparados aos preços das passagens de avião. Historicamente mais barato, viajar de ônibus passa a ganhar outros atributos diante do novo contexto do turismo após a pandemia do coronavírus, mas esbarra em uma série de gargalos, sobretudo considerando a região Nordeste.

A comparação foi constatada em pesquisa direta realizada pela reportagem na última quarta-feira (2) em sites de busca de bilhetes aéreos e rodoviários ClickBus e Kaiak, além dos sites das empresas de ônibus e das próprias companhias aéreas.

Para o levantamento, Fortaleza foi considerada como ponto de partida, no dia 25 deste mês, com retorno no dia 2 de outubro. A variação de 225,8% foi observada no trecho Fortaleza-Natal, ida e volta, cujo bilhete aéreo mais barato encontrado (com taxas) era R$ 538,31, enquanto a passagem de ônibus, também ida e volta com taxas, custava R$ 165,20 para as mesmas datas.

A mesma comparação foi feita para outros cinco destinos. Também foi possível observar diferença expressiva no trecho Fortaleza-Juazeiro, cuja passagem de ônibus custava R$ 158,95 e o bilhete aéreo, R$ 454,07. Ir de Fortaleza para Belém de ônibus na data também é 52,6% mais barato que pegar um voo até a capital paraense.

No trecho Fortaleza-Recife, quase não há diferença e preços: viajar de ônibus para a capital pernambucana é apenas 2,3% mais barato em relação ao preço que consumidor pagaria por um bilhete aéreo.

O professor doutor do departamento de Turismo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Marcius Tulius Soares Falcão, corrobora que o turismo doméstico se destaca em um cenário no qual os indicadores começam a melhorar, mas ainda não há uma vacina que ofereça segurança suficiente para que o ritmo seja plenamente retomado.

Considerando esse contexto, há espaço para o fortalecimento do transporte rodoviário, já que a oferta de voos ainda não foi completamente retomada. “Não é um novo normal do turismo, porque não será uma normalidade, mas o setor terá que se adaptar a isso”, afirma.

“A nossa saída vai ser o turismo doméstico e isso já devia ser uma construção de mais</CW> tempo. O brasileiro não é ainda turista do seu próprio país como deveria ser. Nesse momento o turismo vai precisar de uma grande readaptação”, pontua Falcão.

Diário do Nordeste

Não existem avaliações

Deixe sua avaliação

DEIXE SEU COMENTÁRIO

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.