Denúncia de Janot e ruptura com PSDB ameaçam Temer no Congresso

0

Se a semana passada terminou vitoriosa para o presidente Michel Temer (PMDB), após absolvição no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), hoje o clima de tensão volta a assombrar o Palácio do Planalto. A expectativa é de que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresente denúncia contra Temer ainda esta semana. Antes, no entanto, a ação deve ser autorizada pelo Congresso.

O problema é que o PSDB, principal aliado do governo no parlamento, avalia deixá-lo em meio à crise. Está marcada para hoje reunião em que os tucanos devem decidir se desembarcam do governo. De acordo com levantamento feito pelo jornal Folha de S. Paulo, o partido está rachado. Entre os entrevistados, 19 parlamentares querem ficar e 19 preferem romper. Há pelo menos 11 indecisos e sete que não foram consultados.

Desde que as delações da JBS implicaram Temer, uma ala de tucanos passou a defender a ruptura com o governo. Eles temem que a impopularidade de Temer contamine o PSDB nas eleições de 2018. A cada fato novo, a aliança estremece. Nos bastidores, outro grupo de tucanos argumenta que, após o TSE, é preciso agora esperar a denúncia contra Temer que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve enviar até o fim de junho.

“Temos que nos preocupar também com os 14 milhões de desempregados no Brasil e, sobre esse aspecto, é que o PSDB deve decidir”, afirmou o líder do PSDB na Câmara, Ricardo Tripoli (SP).

Os grupos de Geraldo Alckmin e do senador afastado Aécio Neves (MG) atuam para evitar o desembarque agora. A avaliação de “aecistas” é de que o rompimento dos tucanos com o governo Temer pode prejudicar o mineiro. O pensamento é de que, caso o PSDB desembarque, o PMDB, maior partido do Congresso, atuará para que o tucano seja cassado. Aécio foi fortemente atingido pela delação da JBS.

Dos quatro ministros do PSDB, Aloysio Nunes (Relações Exteriores) e Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo) também trabalham contra o rompimento. Os ministros e o próprio Temer entraram em campo na semana passada e conversaram pessoalmente ou por telefone com parlamentares tucanos para tentar conter o movimento favorável ao desembarque.

Mesmo os tucanos que defendem a saída do governo, não vinculam o desembarque ao apoio para as reformas. Presidente interino da sigla, Tasso sinalizou que o partido votaria pelas medidas, mesmo sem cargos ou ministérios.

Denúncia de Janot

Caso tenha o aval do Congresso, a denúncia de Janot contra Temer pode ou não ser acatada pelo Supremo Tribunal Federal. Se for aceita, Temer viraria réu e teria de ser afastado da Presidência. Neste caso, quem assume é o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM).

Há ainda a possibilidade de eleições indiretas em que o PSDB certamente lançaria um candidato. Os desafios de Temer no Congresso vão além aprovação das reformas, sobretudo a polêmica proposta das mudanças na Previdência. Neste momento, ele luta pela sobrevivência no assento presidencial.

Agência Estado

Não existem avaliações

Deixe sua avaliação

DEIXE SEU COMENTÁRIO

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.