Lula será preso? Ficará inelegível? Veja respostas sobre o caso

0

Condenado nesta quarta-feira, 12, a nove anos e meio de reclusão, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não teve a prisão preventiva decretada pelo juiz Sergio Moro, responsável pela sentença. Embora tenha ressaltado que o ex-presidente fez “declarações no mínimo inadequadas” ao longo do processo, o magistrado optou por não pedir a sua prisão por “prudência”, temendo reações extremas de apoiadores do ex-mandatário.

“O senhor Luiz Inácio fez declarações públicas no mínimo inadequadas sobre o processo, por exemplo sugerindo que se assumir o poder irá prender os procuradores da República ou delegados da Polícia Federal (em 05 de maio de 2017, declarou ‘se eles não me prenderem logo quem sabe um dia eu mando prendê-los pelas mentiras que eles contam’)”.

Moro considera que tais condutas “revelam tentativa de intimidação da Justiça, dos agentes da lei e até da imprensa para que não cumpram o seu dever”. O juiz afirma até que, “aliando esse comportamento com os episódios de orientação a terceiros para destruição de provas, até caberia cogitar a decretação da prisão preventiva do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva”.

Mas, então, por que não foi decretada a prisão?

O próprio Moro explica:

“Considerando que a prisão cautelar de um ex-presidente da República não deixa de envolver certos traumas, a prudência recomenda que se aguarde o julgamento pela corte de apelação antes de se extrair as consequências próprias da condenação. Assim, poderá o ex-presidente Luiz Inácio apresentar a sua apelação em liberdade”.

Como fica, então, a situação do ex-presidente? Ele ficará inelegível?

Lula continuará em liberdade até, no mínimo, ser julgado por um colegiado de magistrados. Isso pode ocorrer na segunda instância (Tribunal Regional Federal da 4ª Região, sediado em Porto Alegre) ou no Supremo Tribunal Federal (STF), onde ele é investigado como suposto líder do esquema de corrupção na Petrobras. Caso seja condenado em uma dessas duas instâncias, ficará impedido de concorrer à Presidência da República (será atingido pela Lei da Ficha Limpa).

No TRF-4 podem ocorrer dois cenários:

1 – Quando é por unanimidade a condenação na turma de julgamento, fica inelegível após o julgamento dos embargos de declaração pela própria turma, esgotando essa instância. Embargos de declaração devem ser interpostos até dois dias depois da intimação dos advogados do acórdão.

2 – Quando o julgamento da turma não é unânime, a inelegibilidade se dá após julgamentos dos embargos de declaração pela turma criminal e posterior julgamento dos embargos infringentes pela 4ª seção, que reúne as duas turmas criminais do TRF-4 (sétima e oitava turmas). Embargos infringentes são interpostos 10 dias a contar da intimação dos advogados do acórdão.

Ou seja: a menos que o TRF-4 o condene até meados de 2018, Lula poderá ser candidato. A decisão deve demorar, porque tanto advogados dele quanto o Ministério Público devem recorrer contra a sentença. O ex-presidente responde ainda a outros quatro processos, mas todos em primeira instância — nenhum deles impediria a sua candidatura presidencial.

O próprio Moro explica:”Considerando que a prisão cautelar de um ex-Presidente da República não deixa de envolver certos traumas, a prudência recomenda que se aguarde o julgamento pela Corte de Apelação antes de se extrairas consequências próprias da condenação. Assim, poderá o ex-Presidente Luiz Inácio apresentar a sua apelação em liberdade”.

Como ficará então a situação do ex-presidente? Continuará em liberdade até, no mínimo, ser julgado por um colegiado de magistrados. Isso pode ocorrer na segunda instância (Tribunal Regional Federal da 4ª Região, sediado em Porto Alegre) ou no Supremo Tribunal Federal (STF), onde ele é investigado como suposto líder do esquema de corrupção na Petrobras. Caso seja condenado em uma dessas duas instâncias, ficará impedido de concorrer à Presidência da República (será atingido pela Lei da Ficha Limpa).

No TRF-4 podem ocorrer dois cenários.

a) Quando é por unanimidade a condenação na turma de julgamento, fica inelegível após o julgamento dos embargos de declaração pela própria turma, esgotando essa instância. Embargos de declaração devem ser interpostos até dois dias depois da intimação dos advogados do acórdão.

b) Quando o julgamento da turma não é unânime, só ficaria inelegível após julgamentos dos embargos de declaração pela turma criminal e posterior julgamento dos embargos infringentes pela 4ª seção, que reúne as duas turmas criminais do TRF-4 (sétima e oitava turmas ). Embargos infringentes são interpostos 10 dias a contar da intimação dos advogados do acórdão.

Ou seja: a menos que o TRF-4 o condene até meados de 2018, Lula poderá ser candidato. A decisão deve demorar, porque tanto advogados dele como o Ministério Público devem recorrer contra a sentença. O ex-presidente responde ainda a outros quatro processos, mas todos em primeira instância – nenhum deles impediria a sua candidatura presidencial.

 

Zero Hora

Não existem avaliações

Deixe sua avaliação

DEIXE SEU COMENTÁRIO

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.