Ceará tem menor taxa de transmissão do novo coronavírus desde o início da pandemia

0

De acordo com a plataforma IntegraSUS, a taxa no Estado se encontra em 0,63. A queda do número está relacionada à desaceleração de novos casos confirmados da Covid-19.

A taxa de transmissão do novo coronavírus no Estado do Ceará permanece em queda. Conforme estatísticas da plataforma IntegraSUS da Secretaria Estadual da Saúde do Ceará (Sesa-CE), a taxa está, atualmente, em 0,63. Durante o pico da pandemia da Covid-19 o número chegou a 2,0 no Estado e 2,02 em Fortaleza.

Em março, mês do início dos registros, a Sesa divulgou uma taxa de 1,78. O número veio desacelerando com o passar do tempo. No início do último mês de julho a taxa estadual estava em 0,9.

Na capital o índice de transmissibilidade se encontra em 0,78 atualmente. Segundo a plataforma IntegraSUS, por região, neste mês de agosto a maior taxa é a do Sertão Central do Ceará, com 0,94.

O médico infectologista Keny Colares explica que a taxa de transmissão demonstra o número de pessoas que, em média, uma pessoa infectada repassa o vírus. Ou seja, se a taxa está acima de um isto indica que cada pessoa com Covid-19 contamina mais de uma outra pessoa. Já quando a taxa se aproxima de 0,5, isto demonstra que, na teoria, a cada duas pessoas que se infectam uma só transmite a alguma outra.

O Ceará tem quase que 190 mil casos confirmados de Covid-19. Conforme o infectologista, a queda da taxa de transmissão também tem relação com o alto número de pessoas infectadas e adoção de medidas farmacológicas, como uso de máscaras de proteção.

“A medida que temos mais casos confirmados, temos menos pessoas suscetíveis. A taxa de transmissão significa o número de pessoas, em média, que uma pessoa que está infectada é capaz de transmitir. É possível ainda que exista relação da queda com a mudança dos fatores climáticos”, afirmou o infectologista.

Ainda segundo Keny Colares, os números indicam que o vírus permanece circulando e que a transmissão ainda existe: “Se abolirmos as medidas, especialmente de uma hora para outra, podemos ter uma nova onda da doença. Ainda temos o vírus circulando e pessoas que ainda não tiveram a doença, o que significa que temos os ingredientes necessários para uma possível piora”, disse.

 

Diário do Nordeste

Não existem avaliações

Deixe sua avaliação

DEIXE SEU COMENTÁRIO

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.