Pesquisadores do Ceará inauguram banco de pele de tilápia para uso em tratamentos médicos

0

A Universidade Federal do Ceará (UFC) inaugura nesta quinta-feira, 13, o primeiro banco de pele de tilápia. O equipamento surgiu a partir dos estudos sobre a pele do peixe para tratamento de pessoas com queimadura, no entanto, a pesquisa deve ser estendida para outras áreas como a ginecologia, endoscopia, urologia, odontologia e otorrinolaringologia. Ao todo, mil peles serão 
armazenadas.

O banco será coordenado pelo Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM) da UFC, em parceria com o Instituto de Apoio ao Queimado (IAQ). O banco de pele ficará na sede do NPDM, na Rua Coronel Nunes de Melo, no Bairro Rodolfo Teófilo.

O professor Odorico de Moraes, coordenador do NPDM, será responsável pela direção do banco, que terá ainda a coordenação médica de Edmar Maciel, presidente do IAQ, e coordenação de enfermagem de Cybele Leontsinis, do Centro de Tratamento de Queimados do Instituto Dr. José Frota (IJF).

Primeira pele animal do Brasil e a primeira de animal aquático do mundo estudada no tratamento de queimaduras, o curativo biológico de tilápia é usado em pacientes com queimaduras de segundo e terceiro graus.

Uma das vantagens apontada pelos pesquisadores para uso da pele é a diminuição dos procedimentos de troca de curativos, o que acarreta menos dor e desconforto ao longo do tratamento. Outro benefício é que a pele de tilápia tem maior quantidade de colágeno dos tipos 1 e 3, proteínas importantes no processo de cicatrização. O uso da pele de tilápia também evita contaminação bacteriana e perda de líquidos, secreção de natureza inflamatória.

A realização de um estudo multicêntrico está prevista para o segundo semestre de 2017 nos estados de Goiás, Pernambuco, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo, onde mil unidades da pele de tilápia esterilizadas vão beneficiar pacientes vítimas de queimaduras.

G1

Não existem avaliações

Deixe sua avaliação

DEIXE SEU COMENTÁRIO

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.