Com restrição da fase 3 na Capital, Governo evita retroceder plano

0

Exclusão de bares e restaurantes pega segmento de surpresa. Operação plena do comércio e da indústria em Fortaleza é liberada e empresários relatam cautela para não fazerem avançar os casos.

O Governo do Ceará determinou ontem (4) que Fortaleza passa, a partir de segunda-feira (6), para a fase 3 do Plano de Retomada Responsável das Atividades Econômicas. No entanto, o avanço excluiu a reabertura de bares e barracas de praia, além do funcionamento de restaurantes no período noturno, que estavam previstos inicialmente na fase 3.

Nesse novo momento, a principal mudança para o setor produtivo é o funcionamento da indústria e do comércio de cadeias que já estavam total ou parcialmente liberadas na Capital com 100% do efetivo. Outras novidades são a autorização para a prática de esportes individuais em espaços públicos, como praias e parques, e o retorno do transporte intermunicipal no dia 10 de julho – com protocolo que inclui a medição de temperatura, uso de máscaras e proibição de passageiros viajando em pé nos veículos.

Ao justificar a decisão de decretar um avanço mais restrito que o inicialmente planejado, o governador Camilo Santana destacou que o objetivo é evitar o aumento de casos na Capital.

“As restrições de não abrirem ainda bares, restaurantes à noite e barracas de praia continuam sendo avaliadas. Isso para não acontecer aqui o que aconteceu em muitos países que reabriram e fecharam novamente”, comentou no anúncio ontem (4).

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, reforçou o impacto econômico da decisão. “Esse decreto vai permitir um aumento do volume das atividades, vai representar mais empregos sendo gerados a partir da próxima semana”.

Para o secretário do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet), Maia Júnior, o mais importante neste momento é não retroceder a abertura da economia às fases anteriores. “Praticamente 100% das atividades estarão reabertas, com exceção de alguns serviços. A cadeia de turismo está na fase 4, e não na 3, porque ela tem o poder de aglomeração, e o risco sanitário é maior”, afirma o secretário, destacando que bares e barracas de praia deverão retornar apenas na fase 4.

O secretário executivo de Planejamento e Orçamento da Secretaria do Planejamento (Seplag), Flávio Ataliba, destacou ainda que a decisão levou em conta o comportamento dos índices de disseminação do coronavírus na Capital. “O problema é que nos últimos dias, 30, 1º e 2, houve um repique nas taxas de internação de UTI e enfermaria”, pontuou Ataliba.

Bares e restaurantes

A decisão pegou os empresários do segmento de surpresa. O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-CE), Rodolphe Trindade, afirmou que a medida é um retrocesso e que afeta diretamente muitos estabelecimentos que se preparavam para a reabertura.

“A gente achou a decisão um absurdo. As metas para fazermos a retomada econômica foram batidas, como redução de casos de Covid-19 e de óbitos. Não vejo porque ter esse retrocesso. Foi uma canetada de última hora e é uma situação que a gente vai ter que enfrentar. Cerca de 30% do setor já fechou e não volta mais”, desabafa.

Ele acredita ainda que a decisão do Governo foi influenciada pelas imagens divulgadas na última semana de aglomerações nas calçadas de bares e restaurantes no Rio de Janeiro.

“Foi medo após as imagens de pessoas nas portas dos restaurantes no Rio. A gente tem que ter responsabilidade, ter os cuidados, mas a economia tem que girar. É momento de fazer essa retomada”, cobrou o presidente da Abrasel, ressaltando que a capacidade dos estabelecimentos é restrita a 50% do total.

Além de Fortaleza, com a entrada de outras cidades da macrorregião de saúde da Capital na fase 2, os restaurantes também poderão reabrir as portas com horário reduzido. O presidente da Abrasel, porém, afirmou que muitos estabelecimentos já estavam abertos antes do decreto de ontem. “De fato, a maioria dos lugares está aberto porque não houve fiscalização”.

Setor produtivo

Para o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio-CE), Maurício Filizola, mesmo que a entrada da Capital na fase 3 possibilitando o retorno completo do comércio seja positiva, deve ser tratada com cautela.

Ele apontou para o fato da pandemia ainda persistir no Estado. Por conta disso, ele reforçou o foco das empresas que estarão voltando a operar com 100% da capacidade em manter a aplicação dos protocolos de segurança e saúde, para que não haja retrocesso.

“O que nós temos que observar é que ainda tem o vírus circundando e algumas regiões estão com um situação preocupante. Fortaleza tem uma situação mais tranquila, mas temos de permanecer nos empenhando nos protocolos”, diz.

O presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Ceará (FCDL), Freitas Cordeiro, destacou que essa espera é relativa ao comportamento do consumidor, que será fator determinante para reabertura total das empresas.

“Será que essas empresas têm capacidade de voltar 100%? Elas têm demanda para isso? Por mais que você libere, ela ficou reduzida na sua capacidade. Alguns vão sair bem e outros com sequelas, a extensão dessas sequelas é difícil de prever”, comenta o presidente da FCDL.

Já o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Ricardo Cavalcante, por outro lado, ponderou que a retomada da indústria deverá demorar um pouco mais, estando condicionada a entrada de todo o Estado na fase 3. “Apenas aí é que a indústria cearense estará integralmente em atividade”, destacou ele.

 

DN

 

 

Não existem avaliações

Deixe sua avaliação

DEIXE SEU COMENTÁRIO

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.